<< October 2009 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31




Contact Me

If you want to be updated on this weblog Enter your email here:


rss feed

Para comentar, clique aqui no fórum da Sociedade dos Amigos da América. Comentários de pessoas sem educação não serão publicados.

Blogdrive


Tuesday, October 13, 2009
É a liberdade, estúpido! - Artigo de Robert Tracinski

Bem, é oficial. O fenômeno Obama acabou. Definitivamente.

Não se trata apenas de sua melhor arma, a oratória, não mais mobilizar a opinião pública (o discurso de quarta-feira, 16 de setembro, sobre o sistema de saúde, produziu um pequeno aumento da aprovação aos custos da reforma no sistema de saúde, mas isso desapareceu em menos de uma semana).

O que realmente encerra a era de Obama é isso: o simbolismo como primeiro presidente negro, o que supostamente dava aos americanos uma oportunidade de superar toda a feia história de sua política racial. No entanto, aqui estamos nós, com menos de oito meses de governo Obama, e a política racial nunca esteve tão ruim em muitos anos.

Poucos dias depois da grande manifestação do movimento Tea Party em Washington, os aliados de Obama na imprensa começaram a chamar os manifestantes de racistas. Isso foi dito por Jimmy Carter, e por Joe Klein, de Time, por Paul Waldman, de The American Prospect's, e por Paul Krugman e Maureen Dowd no New York Times, entre outros.

E onde estão as provas deles? Bem, eles não têm provas – só têm imaginações muito férteis. Krugman acha que a força propulsora por trás do movimento Tea Party é "provavelmente... uma apreensão cultural e racial", enquanto que, segundo Dowd, quando Joe Wilson disse que Obama mentia, "o que eu percebi é que havia no ar uma palavra não expressa: você mente, garoto!... (1) algumas pessoas simplesmente não podem acreditar que um negro é presidente e nunca aceitarão isso." Esses são os atuais padrões jornalísticos de Time: está certo atacar metade da população baseando-se no que você imagina que eles estão "provavelmente" pensando e em palavras que eles não disseram.

No mesmo padrão, Klein considera que se opor a Obama é racismo "implícito", enquanto o "psicólogo social" Thomas Pettigrew explicita o que significa a acusação de "racismo implícito": "A idéia geral é que pessoas que não admitem [racismo] em si mesmas procuram formas legítimas de seguir suas crenças sutis, algumas vezes até mesmo sem perceberem o que estão fazendo". Eis como um psicólogo social projeta em você seus próprios preconceitos sobre seu caráter e seus motivos – sem precisar conversar com você e ouvir o que você pensa.

E eles não perguntaram nem perguntam o que nós pensamos, nenhum deles. É obvio em todas as acusações de racismo que esses grandes repórteres não têm ido aos protestos do movimento Tea Party, não têm conversado com ninguém lá, não se preocuparam em saber quem somos nem no que acreditamos. Eles simplesmente projetaram em nós a mais feia motivação que tem na cabeça, sem necessidade de qualquer evidência para comprová-la. É uma das mais gratuitas campanhas de difamação que eu já vi.

Para uma dose de realidade, confira esta galeria de fotos tiradas por um de meus leitores na parada de sábado. A característica definidora dos comícios do movimento Tea Party, em especial do último sábado (2), é a grande quantidade de cartazes – a dominante forma de expressão do movimento. Você não tem que imaginar as palavras que aquelas pessoa não disseram ou projetar o que provavelmente estaria em suas mentes. Elas te dizem o que elas estão pensando, em cartazes feitos em casa, com grande variedade e criatividade. Alguns favoritos: "Eu pareço uma ATM para você?" (3); o sempre popular slogan "dê-me liberdade, não dividas" (4); "o congresso é um título [de dívida] podre" (5); "mercado livre, não esbanjamento" (6). E, principalmente quanto à questão racial: "Não interessa se o presidente é negro. Interessa se ele é vermelho." (7) O cartaz mais bizarro: uma autentica nota de um milhão de marcos da hiperinflação alemã dos anos 20, entre as palavras "nunca mais".

(se você for até mais ou menos a metade da galeria de fotos, você verá uma foto minha. Eu sou o homem com uma camisa azul carregando um grande cartaz com uma citação de Ayn Rand expressando este lema "racista": "Sua vida pertence a você e o certo é você vivê-la" (8). Certamente, palavras em código para Ku Klux Klan).

O tema comum dos cartazes foram direitos individuais em oposição ao coletivismo, uma defesa de governo limitado, obediente às restrições estabelecidas para ele na constituição. Um dos cartazes mostrado na galeria de fotos sintetiza a mensagem da parada do movimento Tea Party: "É a liberdade, estúpido!" (9)

O fato de o movimento Tea Party ter uma mensagem filosófica tão clara, e que as falsas acusações de racismo dificilmente conseguem vilificá-la, diz muito sobre a autoconfiança intelectual do movimento Tea Party – em contraste com a falta de autoconfiança filosófica da esquerda. Os membros do movimento Tea Party são muito felizes em ter um debate filosófico sobre as mais básicas questões políticas. A esquerda, em contraste, quer mudar o assunto com ofensas pessoais e ataques ad hominem – o que mostra que eles não acreditam poder vencer o debate se for sobre a questão do tamanho ou do papel do governo.

Dizer que a esquerda está recorrendo a "política racial" é um pouco vago demais. Deixem-me definir exatamente o que eles estão fazendo: eles estão recorrendo à política de racial difamação, velha de décadas, acusando, por reflexo condicionado, qualquer oponente de racismo numa tentativa de encerrar a discussão.

Racismo é um dos piores insultos que você pode usar contra alguém hoje, somente uns poucos degraus acima de acusá-lo de ser um pedófilo. Que seja assim é, na verdade, um tributo às heróicas mudanças na cultura americana nas últimas décadas. Em menos de 50 anos, a América evoluiu de um país onde a segregação era abertamente defendida e aplicada a um país onde uma acusação de até mesmo racismo indireto pode arruinar uma carreira. É só perguntar a Don Imus (10). Mas isto tem sido usado como uma arma – um cassetete de intimidação nas mãos da esquerda.

A campanha daltônica (11) de Barack Obama, a idéia de que ele estava concorrendo como se raça não importasse, prometeu-nos uma salutar ruptura desta história. Houve indicações desde o começo, no entanto, que ele realmente não pretendia que tivesse este significado. Obama teve que fazer vários malabarismos a respeito de sua intima e duradoura ligação o pastor Jeremiah Wright, um agitador racial (12), e ele se manteve a uma distância olímpica e confortável, enquanto seus cabos-eleitorais usavam acusações de racismo como uma arma contra a campanha de Hilary Clinton.

Se ele pode agir assim na primária democrata, não há razão para pensar que ele se oporá àqueles que estão fazendo isso novamente agora. Obama alega não querer se envolver com a atual campanha de difamação racial – mas lideres não têm essa opção. Permanecendo em silêncio, ele está dando sua concordância. Ele está se abstendo quanto à volta da difamação racial na política americana. Isto é um enorme desapontamento para muitos que uma vez votaram em Obama – e para muitos outros, como eu mesmo, que uma vez viram um elemento de nobreza em sua campanha, mesmo se nós discordássemos de tudo o ele representava.

Se Obama não rejeitar imediatamente e decididamente a nova difamação racial contra o movimento Tea Party, ele destruirá a última porção de seu apelo junto ao eleitorado – e terá feito milhões de novos e passionais inimigos entre o público votante.


* * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * * * * *


(1) Nota do tradutor – no original, está "You lie, boy!", e "boy" era um termo pejorativo usado pelos brancos contra os negros no tempo da segregação racial.
(2) Nota do tradutor - dia doze de setembro.
(3) "Do I Look Like an ATM to You?" Nota do tradutor - ATM é sigla de "automated teller machine", ou seja, caixa eletrônico.
(4) "Give Me Liberty, Not Debt."
(5) "Congress Is a Toxic Asset."
(6) "Free Markets Not Free Loaders."
(7) "It Doesn't Matter the President Is Black. It Matters That He's Red."
(8) "Your life belongs to you and the good is to live it."
(9) "It's the Liberty, Stupid." Nota do tradutor – é uma paródia de "it's the economy, stupid", uma frase usada pela campanha de Bill Clinton, em 1992, contra o então presidente George H.W. Bush. Como Bill Clinton venceu, a frase se incorporou ao jargão político americano.
(10) Nota do tradutor - John Donald "Don" Imus, Jr. é um celebre radialista americano, que se envolveu em várias polemicas por seus comentários politicamente incorretos.
(11) Nota do tradutor – a expressão em inglês usada pelo autor, "color-blind", é sinônimo de daltonismo, mas é também uma expressão americana que descreve serviços prestados sem considerações pelas características raciais dos envolvidos, e não há tradução em português.
(12) Nota do tradutor – a expressão em inglês usada pelo autor, "race-bating", é um adjetivo usado para atos ou pessoas que usam uma retórica racial para intimidar outras pessoas, e não há tradução em português.

* * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * * * * *

Este artigo foi publicado no seguinte link: http://www.realclearpolitics.com/articles/2009/09/20/its_the_liberty_stupid_98387.html

Posted at 11:10 pm by garciarothbard

P. Araújo
October 21, 2009   03:42 PM PDT
 
Olá, gostei deste site. Indico também o blog do Angelo da Cia, ele tá cobrindo bem estes mesmos assuntos em www.angelodacia.blogspot.com


Previous Entry

Next Entry